GCAD_TUNAS-FADOS (de Lisboa)

Categoria:

Descrição

Acessos: 3

GCAD_FADOS (de Lisboa)

________________________________________________

O Fado, originariamente cantiga de taberna e marginalidade, conseguiu impor-se artisticamente, com belas músicas  e poemas e pôde adquirir há poucos anos o estatuto de Património Mundial pela UNESCO,

As tunas rurais apresentavam repertórios com um fundo de base local e regional, mas também tentavam adoptar experiências eruditas apreendidas em visitas às Grandes Cidades: os espectáculos (teatros de revista, cabarets…) do Porto e, ainda, os de Lisboa.

Era tarefa de ouvido, difícil, pois não havia rádios nem mesmo pautas publicadas. Daí que hoje se torna impossível apresentar um carimbo de autor, ou mesmo de local ou região da recolha, tornando-se injusto arriscar um autor ou local ou uma data, sem ter a certeza.

No entanto, as peças autóctones das nossas Tunas durienses oferecem na gereralidade um sabor genuíno, gerador de uma saudosa emoção muito bem conseguida e conservada

________________________________

EXEMPLOS

FADO DA DESGRAÇADINHA [Vol II – p 1158] (Arranjo: Altino M Cardoso)

Virgem casta, eu já fui como tu, já vivi como os anjos do céu; (bis)
esta fronte que vês humildada foi coberta com cândido véu. (bis)
Eu também, como tu, tive flores, tive tanta grinalda singela!
Tive beijos de um pai carinhoso… Eu também, como tu, já fui bela!
Como tu, eu já tive esperança, já gozei dessa vida sagrada:
hoje vivo a lutar com a dor que fulmina a mulher desgraçada!
Tive mãe, como tu inda tens, que velava por minha ventura,
que tornava meus dias ditosos, de seus lábios me dava doçura…
Mas bem cedo, donzela, essa glória, qual um sonho, depressa passou;
essas flores consagradas que tive, foi um beijo infernal que as murchou!…
Esse véu inocente que tive mo tiraram sem pena, sem dó!
Ímpia mão mo rasgou com desprezo, nem as cinzas se encontram no pó!
Ai, perdoa, donzela, este canto repassado de dor e de fel!
Ouve as queixas da triste perdida, que são ecos da sorte cruel!…

___________________________

FADO CHORADINHO [Vol II – p 1155]  (Arranjo: Altino M Cardoso)

Fui encontrar a desgraça Onde os mais acham prazer: (bis) Amor, que dá vida a tantos, Só a mim me faz morrer! (bis)

Ó cidra, considra ó cidra, Ó cidra, considra bem: Depois da cidra partida, Cidra, que remédio tem? (bis)

Eu fui a mais desgraçada Das filhas da minha mãe: Todas têm a quem se cheguem, Só eu não tenho ninguém!

Não sei que quer a desgraça, Que atrás de mim corre tanto! Hei-de parar e mostrar-lhe Que de vê-la não me espanto.

Eu quero bem à desgraça Que sempre me acompanhou, Não posso amar a ventura Que bem cedo me deixou!

Quem tiver filhas no mundo, Não fale das malfadadas: Porque as filhas da desgraça Também nasceram honradas!

Das filhas da desventura Devemos ter compaixão: São mulheres como as demais, Filhas de Eva e de Adão.

Debaixo do frio chão, Onde o sol não tem entrada, Abre-se uma sepultura, Finda o fado à desgraçada!

E Deus, que tudo perdoa, E Virgem Nossa senhora, Hão-de ouvir a alma que implora Salvação à pecadora!

____________________________