Músicas para a MENSAGEM de Fernando Pessoa

10,00

REF: mp3 MM Categoria:

Descrição

Acessos: 89

A MENSAGEM DE F PESSOA

E AMÁLIA

Como regista o livro MÚSICAS PARA VERSOS ESCOLHIDOS POR AMÁLIA (2005), Altino Cardoso apresentou algumas gravações musicais a Amália Rodrigues. A cantora achou muita graça à cantiga “Mocas de Rio Maior”. Chamava-lhe até “o autor das mocas” e elogiava o “sentido melódico” das suas músicas.

Pediu que musicasse para ela alguns poemas da MENSAGEM de Fernando Pessoa.

Entusiasmadíssimo, AMC compôs várias músicas em curtíssimo espaço de tempo, mas não sabendo que a voz de Amália já não tinha a amplitude da escala vocal de outros tempos… e isso originou uma reformulação, descrita em pormenor no livro acima citado [ver neste site, em ‘produto’ próprio].

Também no mesmo livro se revela que Amália cortou definitivamente com AMC quando este lhe confessou que fazia parte do grupo de estudantes de Coimbra que na EXPO’70 em Osaka (Japão-Agosto de 1970) a patearam ruidosamente, quando ela, no espectáculo de Gala do Dia de Portugal (em que os estudantes também actuaram), se pôs a cantar em espanhol, francês… e não apenas no glorioso português do nosso Fado.

Ver algumas dessas músicas escritas para Amália também neste site:

https://amadora-sintra-editora.pt/produto/musicas-para-versos-escolhidos-por-amalia/

É de revelar que a Obra de Fernando Pessoa sempre esteve ligada à actividade docente e musical de Altino Cardoso, que, em duas edições, musicou todos os 44 poemas da MENSAGEM.

Entretanto, a evolução da informática na Música veio permitir novas e gratificantes abordagens técnicas, pelo que se tornou lógica esta terceira edição, com a integral versão da obra melódica, agora com uma harmonização mais cuidada.

Convém ouvir o mp3 e, ao mesmo tempo, ler o poema correspondente da MENSAGEM.

________________________

EXEMPLOS

Dom Afonso Henriques (Melodia e harmonização: Altino M. Cardoso)

DOM AFONSO HENRIQUES

Pai! Foste Cavaleiro!
Hoje a vigília é nossa!
Dá-nos o exemplo inteiro
E a tua inteira Força!
Dá, contra a hora em que, errada,
Novos infiéis vençam,
A Bênção como espada,
A espada como Bênção!
(A espada como Bênção!)

_____________________________

O Infante (Melodia e harmonização: Altino M Cardoso)

O INFANTE
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,
E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.
Quem te sagrou criou-te português..
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!

______________________________________

Dom Sebastião (M e harm: AMC)

DOM SEBASTIÃO

‘Sperai! Cai no areal e na hora adversa
Que Deus concede aos seus
Para o intervalo em que esteja a alma imersa
Em sonhos que são Deus.
Que importa o areal e a morte e a desventura
Se com Deus me guardei?
É O que eu me sonhei que eterno dura
É Esse que regressarei.

___________________________

Horizonte  (M e harm: AMC)

HORIZONTE

Ó mar anterior a nós, teus medos
Tinham coral e praias e arvoredos.
Desvendadas a noite e a cerração,
As tormentas passadas e o mistério,
Abria em flor o Longe, e o Sul sidério
‘Splendia sobre as naus da iniciação.
Linha severa da longínqua costa —
Quando a nau se aproxima ergue-se a encosta
Em árvores onde o Longe nada tinha;
Mais perto, abre-se a terra em sons e cores:
E, no desembarcar, há aves, flores,
Onde era só, de longe a abstracta linha…
O sonho é ver as formas invisíveis
Da distância imprecisa, e, com sensíveis
Movimentos da esp’rança e da vontade,
Buscar na linha fria do horizonte
A árvore, a praia, a flor, a ave, a fonte —
Os beijos merecidos da Verdade.

______________________

O Bandarra (M e harm: AMC)

O BANDARRA
Sonhava, anónimo e disperso,
O Império por Deus mesmo visto,
Confuso como o Universo
E plebeu como Jesus Cristo.
Não foi nem santo nem herói,
Mas Deus sagrou com Seu sinal
Este, cujo coração foi
Não português, mas Portugal.

______________________________

O Conde Dom Henrique  (M e harm: AMC)

O CONDE D. HENRIOUE

Todo começo é involuntário.
Deus é o agente.
O herói a si assiste, vário
E inconsciente.
À espada em tuas mãos achada
Teu olhar desce.
«Que farei eu com esta espada?»
Ergueste-a, e fez-se!

___________________________

Padrão  (M e harm: AMC)

PADRÃO

O esforço é grande e o homem é pequeno.
Eu, Diogo Cão, navegador, deixei
Este padrão ao pé do areal moreno
E para diante naveguei.
A alma é divina e a obra é imperfeita.
Este padrão sinala ao vento e aos céus
Que, da obra ousada, é minha a parte feita:
O por-fazer é só com Deus.
E ao imenso e possível oceano
Ensinam estas Quinas, que aqui vês,
Que o mar com fim será grego ou romano:
O mar sem fim é português.
E a Cruz ao alto diz que o que me há na alma
E faz a febre em mim de navegar
Só encontrará de Deus na eterna calma
O porto sempre por achar.

__________________________

Ocidente  (M e harm: AMC)

OCIDENTE

Com duas mãos — o Acto e o Destino —
Desvendámos. No mesmo gesto, ao céu
Uma ergue o facho trémulo e divino
E a outra afasta o véu.
Fosse a hora que haver ou a que havia
A mão que ao Ocidente o véu rasgou,
Foi a alma a Ciência e corpo a Ousadia
Da mão que desvendou.
Fosse Acaso, ou Vontade, ou Temporal
A mão que ergueu o facho que luziu,
Foi Deus a alma e o corpo Portugal
Da mão que o conduziu.

____________________________

Mar português  (M e harm: AMC)

MAR PORTUGUÊS

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

__________________________________

Fernão de Magalhães  (M e harm: AMC)

FERNÃO DE MAGALHÃES

No vale clareia uma fogueira.
Uma dança sacode a terra inteira.
E sombras desformes e descompostas
Em clarões negros do vale vão
Subitamente pelas encostas,
Indo perder-se na escuridão.
De quem é a dança que a noite aterra?
São os Titãs, os filhos da Terra,
Que dançam na morte do marinheiro
Que quis cingir o materno vulto
— Cingiu-o, dos homens, o primeiro —,
Na praia ao longe por fim sepulto.
Dançam, nem sabem que a alma ousada
Do morto ainda comanda a armada,
Pulso sem corpo ao leme a guiar
As naus no resto do fim do espaço:
Que até ausente soube cercar
A terra inteira com seu abraço.
Violou a Terra. Mas eles não
O sabem, e dançam na solidão;
E sombras disformes e descompostas,
Indo perder-se nos horizontes,
Galgam do vale pelas encostas
Dos mudos montes.

___________________________

Dona Tareja  (M e harm: AMC)

DONA TAREJA

As naçôes todas são mIstérios.
Cada uma é todo o mundo a sós.
Ó mãe de reis e avó de impérios,
Vela por nós!
Teu seio augusto amamentou
Com bruta e natural certeza
O que, imprevisto, Deus fadou.
Por ele reza!
Dê tua prece outro destino
A quem fadou o instinto teu!
O homem que foi o teu menino
Envelheceu.
Mas todo vivo é eterno infante
Onde estás e não há o dia.
No antigo seio, vigilante,
De novo o cria!

_____________________________

Dom João, o Segundo (M e harm: AMC)

DOM JOÃO, O SEGUNDO

Braços cruzados, fita além do mar.
Parece em promontório uma alta serra —
O limite da terra a dominar
O mar que possa haver além da terra.
Seu formidável vulto solitário
Enche de estar presente o mar e o céu
E parece temer o mundo vário
Que ele abra os braços e lhe rasgue o véu.

_______________________________

António Vieira  (M e harm: AMC)

ANTÓNIO VIEIRA

O céu ‘strela o azul e tem grandeza.
Este, que teve a fama e à glória tem,
Imperador da língua portuguesa,
Foi-nos um céu também.
No imenso espaço seu de meditar,
Constelado de forma e de visão,
Surge, prenúncio claro do luar,
El-Rei D. Sebastião.
Mas não, não é luar: é luz do etéreo.
É um dia, e, no céu amplo de desejo,
A madrugada irreal do Quinto Império
Doira as margens do Tejo.

____________________________

Afonso de Albuquerque  (M e harm: AMC)

AFONSO DE ALBUQUEROUE

De pé, sobre os países conquistados
Desce os olhos cansados
De ver o mundo e a injustiça e a sorte.
Não pensa em vida ou morte
Tão poderoso que não quer o quanto
Pode, que o querer tanto
Calcara mais do que o submisso mundo
Sob o seu passo fundo.
Três impérios do chão lhe a Sorte apanha.
Criou-os como quem desdenha.

_____________________________

A última nau  (M e harm: AMC)

A ÚLTIMA NAU

Levando a bordo El-Rei D. Sebastião,
E erguendo, como um nome, alto o pendão
Do Império,
Foi-se a última nau, ao sol aziago
Erma, e entre choros de ânsia e de pressago
Mistério.
Não voltou mais. A que ilha indescoberta
Aportou? Voltará da sorte incerta
Que teve?
Deus guarda o corpo e a forma do futuro,
Mas Sua luz projecta-o, sonho escuro
E breve.
Ah, quanto mais ao povo a alma falta,
Mais a minha alma atlântica se exalta
E entorna,
E em mim, num mar que não tem tempo ou ‘spaço,
Vejo entre a cerração teu vulto baço
Que torna.
Não sei a hora, mas sei que há a hora,
Demore-a Deus, chame-lhe a alma embora
Mistério.
Surges ao sol em mim, e a névoa finda:
A mesma, e trazes o pendão ainda
Do Império.

______________________________

Noite (Música e Harm Altino M Cardoso)

NOITE

nau de um deles tinha-se perdido
No mar indefinido. (bis)
O segundo pediu licença ao Rei
De, na fé e na lei (bis)
Da descoberta, ir em procura
Do irmão no mar sem fim e a névoa escura.(bis)Tempo foi. Nem primeiro nem segundo
Volveu do fim profundo
Do mar ignoto à pátria por quem dera
O enigma que fizera.
Então o terceiro a El-Rei rogou
Licença de os buscar, e El-Rei negou.
*
Como a um cativo, o ouvem a passar
Os servos do solar.
E, quando o vêem, vêem a figura
Da febre e da amargura,
Com fixos olhos rasos de ânsia
Fitando a proibida azul distância.
*
Senhor, os dois irmãos do nosso Nome
O Poder e o Renome —
Ambos se foram pelo mar da idade
À tua eternidade;
E com eles de nós se foi
O que faz a alma poder ser de herói.
Queremos ir buscá-los, desta vil
Nossa prisão servil:
É a busca de quem somos, na distância
De nós; e, em febre de ânsia,
A Deus as mãos alçamos.Mas Deus não dá licença que partamos.
____________________________________________________________