GCAD – DESGARRADAS

REF: Som mp3_DE Categoria:

Descrição

______________________

O Volume III do GRANDE CANCIONEIRO DO ALTO DOURO estuda o fenómeno poético-musical que tem sobrevivido desde a Idade Média (galego-português), com foco em Santiago de Compostela e ainda anterior à Fundação de Portugal: as tenções,  cantigas ao desafio ou, ainda, desgarradas.

Estas cantigas são diálogos musicais com mensagens de vários conteúdos expressas em redondilha maior (7 sálabas métricas) e formas melódicas correspondentes a esse ritmo. A tradicional estrutura musical é polifónica, normalmente constituída por 3 partes: um tema melódico próprio (violino>concertina, clarinete), acordes de acompanhamento (violão, viola) e solo (canto).

A polifonia mantém-se invariável, seja longo ou curto o desenvolvimento da letra.

O tom mais utilizado é o D Maior (RÉ Maior), devido à adequação à escala humana (masculina) do canto – duas oitavas, entre G’ e G”‘ – e ainda à fácil colocação dos dedos para formar o RÉ Maior da viola ou violão.

O Volume II do citado GCAD apresenta uma inédita e valiosa amostragem de 15 estruturas recolhidas de entre essas formas musicais – e o número não parece esgotado.

O esquema métrico e harmónico permanece, mas oferecendo sempre virtualidades para o exercício da inspiração dos intérpretes, muitos deles (e modernamente também delas) admiráveis mestres do improviso.

Os temas poéticos são variadíssimos, cobrindo um leque inesgotável, em que o simples e pacífico diálogo pode dar lugar ao exibicionismo, ao desafio, ao maldizer e ao perigo de incêndio de ânimos… e também ao amor (e ciúme), à religião, às festas, à política, às anedotas, às situações caricatas, e, até, a factos históricos solenes e respeitáveis…

A relativamente moderna concertina tem monopolizado a instrumentação, embora ainda consiga sobreviver a antiquíssima viola, o bombo e os ferrinhos. Mas ainda foi possível encontrar e gravar desgarradas com o ancestral violino/viola, ou com violino/concertina/viola (ver, por  ex., a estrutura 3). Também aparece o clarinete, mas ainda menos do que o violino.

Convém ainda notar que, enquanto os acompanhamentos instrumentais típicos mantêm a linha melódica durante todo o desenvolvimento da cantoria, o cantador inclui no texto muitas variáveis ao longo do seu improviso. Mais ainda: embora respeitando a unidade melódica, raramente canta exactamente as mesmas notas. Este facto torna inviável fazer uma recolha completa do repertório (riquíssimo) dessas obras – que só recentemente começaram a ser gravadas.

Como é habitual neste Site, apresentam-se alguns exemplos mais comuns, em mp3.

Os sons em MP3 e as pautas em PDF são disponibilizados como é habitual neste website.

…….

_____________________

O GRANDE CANCIONEIRO DO ALTO DOURO II apresenta um capítulo dedicado às DESGARRADAS, ainda hoje muito apreciadas em festas, convívios e arraiais.

As desgarradas ou cantigas ao desafio eram integradas na festa das Vindimas do Douro, num terreiro de baile ou, sobretudo, durante a pisa das uvas nos lagares, antes da mecanização e das cooperativas.

A pousa, ou lagarada, decorria durante 4 horas, até à meia-noite. Dividia-se em duas partes: a primeira era rígida e ritmada pela voz potente de um mandador: “esquerda-direita-um-dois…” e a fileira de homens percorria com rigor e uniformidade toda a superfície do mosto no lagar.

As segundas duas horas prestavam-se a vários divertimentos e cantigas para afastar o sono, depois do canto de “Liberdade, liberdade, quem na tem chama-lhe sua…”.

Uma das cantigas era a desgarrada entre dois contendores divertidos, aqui representados por dois galarozes.

Actualmente as desgarradas são acompanhadas com concertina e viola (já raramente o violino); mas nos tempo das pousas a viola acompanhava um violino. Prefiro utilizar o violino nas transcrições apresentadas.

_____________________

EXEMPLOS

Desgarrada das vindimas (em tom menor) (GCAD I, 176)

Desgarrada das pousas [GCAD I, 223]

Adeus, ó senhor patrão [GCAD I, 67]

Desgarrada [estrutura 1] [GCAD II, 1242]

Desgarrada [estrutura 2] [GCAD II, 1243]

Desgarrada [estrutura 3] [GCAD II, 1244]

Desgarrada [estrutura 4] [GCAD II, 1245]

Desgarrada [estrutura 6] [GCAD II, 1248]

Desgarrada [estrutura 7] [GCAD II, 1249]

Desgarrada [estrutura 10] [GCAD II, 1243]

_______________________________________________________________________________