O CALDINHO de Pedra [operetas]

15,00

Categoria:

Descrição

2017 – O CALDINHO DE PEDRA & MAIS 20 TEATRINHOS (OPERETAS) – Contos tradicionais musicados e dramatizados.

O projecto idealizado que se propõe consiste em transformar em versos musicáveis e dialogados contos tradicionais escolhidos pedagogicamente (vinte e um neste 1º volume, a continuar) e adaptá-los ao palco escolar da sala de aula.

Assim, as historinhas permitem interpretações abertas e interactivas, pois a própria narração musical está segmentada em secções, que podem ser cantadas, dançadas, representadas, mimadas…

Cada ‘opereta’ foi estruturada em secções numeradas, que podem ser retomadas (e até adaptadas), em sincronia áudio-visual e até coreográfica com o desenrolar do enredo.

Torna-se muito útil nas salas de aula, ao vivo e até de improviso, com cenários e apetrechos construídos pelos próprios alunos, desde a pré-primária.

______________________

EXEMPLOS

O soldadinho de chumbo

A raposa e o mocho

O caldinho de pedra

O João e a Maria

A carochinha

Branca de neve e os 7 anões

Frei João Sem-cuidados

_______________________

TEXTOS:

  1. FREI JOÃO SEM CUIDADOS

Era uma vez um Rei, que ouvia sempre falar em Frei João Sem Cuidados como um homem que não se afligia com coisa nenhuma deste mundo.
— Deixa-te estar, que eu é que te hei-de meter em trabalhos.
Mandou-o chamar à sua presença, e disse-lhe:
— Vou dar-te uma adivinha, e se dentro em três dias me não souberes responder, mando-te matar. Quero que me digas:
– Quanto pesa a lua?
– Quanta água tem o mar?
– O que é que eu penso?
Frei João Sem Cuidados saiu do palácio bastante atrapalhado, pensando na resposta que havia de dar àquelas perguntas. O seu moleiro encontrou-o no caminho, e lá estranhou de ver Frei João Sem Cuidados, de cabeça baixa e macambúzio.
— Olá, senhor Frei João Sem Cuidados, então o que é isso, que o vejo tão triste?
— É que o rei disse-me que me mandava matar, se dentro em três dias eu lhe não respondesse a estas perguntas: — Quanto pesa a lua? Quanta água tem o mar? E o que é que ele pensa?
O moleiro pôs-se a rir, e disse-lhe que não tivesse cuidado, que lhe emprestasse o hábito de frade, que ele iria disfarçado e havia de dar boas respostas ao rei.
Passados os três dias, o moleiro vestido de frade, foi pedir audiência ao rei. O rei perguntou-lhe:
— Então, quanto pesa a lua?
— Saberá vossa majestade que não pode pesar mais do que um arrátel, porque todos dizem que ela tem quatro quartos.
— É verdade. E agora: Quanta água tem o mar?
Respondeu o moleiro:
— Isso é muito fácil de saber; mas como vossa majestade só quis saber da água do mar, é preciso que primeiro mande tapar todos os rios, porque sem isso nada feito.
O rei achou bem respondido; mas zangado por ver que Frei João se escapava das dificuldades, tornou:
— Agora, se não souberes o que é que eu penso, mando-te matar!
O moleiro respondeu:
— Ora, Vossa Majestade pensa que está a falar com Frei João Sem Cuidados, mas está mas é a falar com o seu moleiro, que fornece a farinha para o pão real.
Desapertou o hábito de frade e o rei ficou pasmado com a esperteza do ladino.