GCAD_RIMANCES DE CEGO

Categoria:

Descrição

Acessos: 7

GCAD-Vol II_RIMANCES DE CORDEL E DE CEGO

____________________________________________________________________________________________

EXEMPLOS

DONA ISAURA [GCAD VOL II P 1043]  (Harm Altino M Cardoso)

Estando a Dona Isaura na janela debruçada (bis)

passou lá um rapazote: – Adeus, minha namorada (bis).

Isaura foi pró quintale e o malvado foi trás dela (bis), botou-lhe as mãos à cintura, logo ali fez pouco dela.

Sua mãe alevantou-se, foi saber da sua filha; encontrou-a no quintale, a chorar a triste vida.

– Vá-se embora, minha mãe, não tem cá nada a fazere, em parando minhas mágoas à porta le irei batere. Eram as três da manhã, Isaura à porta a batere:

– Entra, entra, ó minha filha, filha do meu coração, entra pelo corredore, vai a teu pai pedir perdão.

– Perdoa, meu pai, perdoa, tenha dó da desgraçada; tenho uma criança nos braços, do amante abandonada.

Do amante abandonada e da família aborrecida; meu pai, eu vou prá viela, na viela há mais na vida;

vou ganhar muito dinheiro, o meu corpo bem no sente,  Eu vou para a taberna, na taberna há mais gente, vou ganhar muito dinheiro ao balcão duma taberna!

_________________________________

VAI-SE LER UMA QUADRA [GCAD VOL II – p 1054]  (Harm Altino M Cardoso)

Bai-se a ler uma quadra, Todos podem reparare Que beu fazer aquele homem Do Brasil a Portugale:

Há quatro anos que estaba Da sua mulher ausente, Uma noite tebe um sonho Que ela tinha um amente.

Ele aquerditou no sonho, Num tornou a trabalhari, Tratou de arranjar passaije Pra Portugal e imbarcari.

Era meia-noite im ponto, À porta da infeliz bateu: Deitadinha no seu leito Seu marido conheceu.

Taba deitada na cama Ela e mais uma menina: Era filha duma irmã E dela era sobrinha.

Talhou-le penas e braços, Arrincou-le o coração, Tirou-le nariz e olhos Na maior afelição!*

* Rimance com enredo na linha do de S. Macário (S Pedro do Sul)

_______________________

ABANDONEI O MEU LAR [GCAD VOL II – p 1040]  (Harm Altino M Cardoso)

Abandonei o meu lar Com toda a dedicação, (bis)

Fui prá guerra batalhar Meu corpo crucificar Em honra duma nação.(bis)

Quando andava na guerra, Andei por tão maus caminhos! Onde meus olhos perdi E com eles nunca vi O rosto dos meus filhinhos!

Vim prá terra imparado Por um camarada meu Que na guerra foi soldado E combateu a meu lado, Comigo tudo sofreu.

Pensando no meu destino, Essas mágoas me consomem, Ouvi dizer aos vizinhos Que a mãe dos meus filhinhos Vivia com outro homem!

Acabou a grande guerra, Fiquei todo satisfeito: Voltei para a minha terra Para a casinha da serra Mas sem medalhas no peito!…

_________________________________________________________________